Astrogeólogo / Astrogeologia

Astrogeologia - Astrogeólogo

Mais sobre a profissão

Modalidades:

Presencial

Matérias relacionadas:

Física Geologia Química

Idiomas:

Inglês, Português

A Astrogeologia ou Geologia Planetária, como também é conhecida, estuda os corpos celestes, por exemplo, meteoritos, cometas e planetas. Assim, o Astrogeólogo é um geólogo do espaço.

A Geologia é, por definição, o estudo da Terra. Por isso, pode parecer estranho que haja uma Geologia Planetária focada no espaço. Mas a Astrobiologia mais não é do que a aplicação dos saberes geológicos aos corpos celestes.

Deste modo, o Astrogeólogo aplica métodos e técnicas da Geologia aos corpos celestes. Os seus objetos de estudo são planetas, luas, cometas, asteroides e meteoritos.

Portanto, tanto pode analisar as rochas lunares como a superfície de Marte. Mas é certo que se debruça sobre as partes sólidas dos corpos celestes, considerando aspetos da Geofísica, da Geoquímica e da Cartografia.

Fica connosco para saber mais sobre profissão!

O que é a Astrogeologia

A Astrogeologia ou Planetologia, como também é designada, é o estudo geológico dos corpos do Sistema Solar.

Assim, a Geologia Planetária ou Exogeologia tenta apurar as origens, a evolução e a distribuição da matéria sólida que é formada por planetas, cometas, asteroides, satélites e partículas espaciais.

Trata-se do estudo detalhado de dados recolhidos por sondas espaciais, com o apoio de conceitos da Física, da Química, da Biologia e de outras ciências.

O Astrónomo e Geólogo Eugene Shoemaker é visto como o “pai” da Astrogeologia. Mas esta área científica vem beneficiando muito dos avanços na conquista do espaço e do desenvolvimento tecnológico.

Os softwares cada vez mais avançados permitem analisar os dados geológicos recolhidos em outros planetas de forma ágil e precisa.

Um dos projetos astrogeológicos mais conhecidos é o ISIS (Integrated Software for Imagers and Spectrometers) que reuniu dados ao longo de 30 anos. Entre estes incluem-se registos de missões espaciais a Marte, Júpiter e Saturno, entre outros corpos planetários.

Campos da Astrogeologia

A Geologia Planetária atribui a cada campo de estudo relacionado com um corpo específico do Sistema Solar um nome, como a seguir se indica:

  • Heliologia (estudo do Sol)
  • Hermeologia (estudo de Mercúrio)
  • Citologia (estudo de Vénus)
  • Selenologia (estudo da Lua)
  • Areologia (estudo de Marte)
  • Zenologia (estudo de Júpiter)
  • Cronologia (estudo de Saturno)
  • Uranologia (estudo de Urano)
  • Poseidologia (estudo de Neptuno)
  • Hedeologia (estudo de Plutão).

O Astrogeólogo cruza diversos tipos de dados, vindos de várias fontes, bem como técnicas diferenciadas para estudar a evolução geológica de corpos rochosos extraterrestres.

Assim, precisa de reunir saberes de Química, Matemática e Física, entre outras ciências, para entender os processos geológicos da Terra. Sim, leste bem. Apesar de os seus objetos de estudo estarem no espaço, o especialista de Astrogeologia precisa de ter profundos conhecimentos da Geologia terrestre.

No seu trabalho, o profissional de Geologia Planetária pode participar em diversos tipos de projetos. Um dos exemplos são as explorações espaciais em planetas como Marte.

O rover Perserverance está, neste momento, no Planeta Vermelho a recolher rochas, poeira e outras amostras de Marte. Mas essas amostras só devem chegar à Terra por volta de 2031. Nessa altura, o estudo desses elementos será essencial para os Astrogeólogos contribuírem para a conquista do espaço.

Além de analisar amostras recolhidas da superfície de outros planetas, o Astrogeólogo também compara essas análises com estruturas geológicas idênticas na Terra.

Uma parte do seu trabalho é feita no terreno, com a recolha de amostras. Mas também faz trabalho em laboratório, ou ainda simulações de computador para entender a evolução de estruturas geológicas espaciais.

Quais as suas funções

Na Geologia Planetária, o trabalho passa muito por analisar os dados, ou amostras, recolhidos por sondas espaciais. Nesse processo, utiliza técnicas como espectroscopia que permite entender a composição de corpos celestes a partir da forma como refletem a luz solar.

Portanto, o Astrogeólogo estuda os corpos celestes analisando aspetos como os vestígios de atividade vulcânica, mas também a sua composição química e a geomorfologia.

O trabalho passa por estudar meteoritos, bem como as crateras que são provocadas pelos seus impactos. Assim, pode analisar astrominerais, ou seja, materiais de origem pré-solar que se podem encontrar em meteoritos primitivos. Mas estes corpos celestes também podem ter grãos de explosões de supernovas.

Portanto, é todo um campo misterioso e fascinante onde ainda há muito por descobrir. De resto, o Astrogeólogo é um dos vários profissionais, a par do Astrofísico, do Astroquímico, do Astrobiólogo e do Cosmólogo, que tentam entender melhor o nosso Sistema Solar.

Os profissionais de Astrogeologia são cada vez mais essenciais em missões da NASA, a Agência Espacial norte-americana, e da ESA – a Agência Espacial Europeia.

Os salários dos Astrogeólogos estão muito dependentes do local onde trabalham. Assim, ser funcionário da NASA é muito diferente de trabalhar numa Universidade pública, a dar aulas.

Portanto, é impossível determinar um salário médio para os profissionais desta área. Mas os ganhos serão equiparáveis a outras profissões da área da Astronomia e da Geologia.

Porém, o grau de especialização do Astrogeólogo é também muito importante para aferir o valor do seu ordenado.

Saídas no Mercado de Trabalho

A Geologia Planetária está em pleno desenvolvimento nos países mais avançados, mas tem ainda muito espaço para crescer.

Portanto, há poucas vagas de emprego, sendo que os centros de pesquisa são uma boa hipótese para quem quer trabalhar nesta área.

Contudo, os Astrogeólogos também podem trabalhar em instituições académicas, seja a dar aulas ou a fazer investigação.

Porém, o patamar mais interessante para quem quer seguir esta área é entrar numa agência espacial, como a NASA e a ESA. Habitualmente, quem entra nestas entidades como Astrogeólogo fica integrado em Departamentos de Astrobiologia.

Outra opção passa por escrever para revistas científicas como a Nature e a Science.

A Astrogeologia é uma ciência emergente e, portanto, são raros os cursos superiores nesta área. Assim, quem quer entrar neste mundo deve procurar complementar formações em Astronomia, Geologia e Química.

Mas a Astrofísica e a Astroquímica também são opções.

Para lá dessa formação em algumas das ciências que abrangem o mundo da Geologia Planetária, ainda é necessário ter aptidão para temas como a Matemática, a Biologia, a Química e a Física.

Além disso, é preciso ter veia de cientista, o que implica uma curiosidade contínua por investigar e descobrir coisas novas. E, neste caso, é preciso saber pesquisar com os pés assentes na terra e os olhos no céu!

Onde estudar Astrogeologia

Os cursos de Astrogeologia são raros, como já referimos. Portanto, o ideal é procurar uma formação na área da Geologia para começar.

Depois podes complementar esse conhecimento com formações acessórias no âmbito da Astronomia, da Astrofísica e da Astroquímica.

O ideal é que encontres a solução mais adequada ao teu perfil. Por isso, pesquisa bem os programas de cada curso antes de tomares uma decisão.

Vamos dar-te uma ajuda com alguns links que partilhamos de seguida…

Portugal:

Brasil:

Já percebeste o que faz um Astrogeólogo? Agora que tens na mão as sabes sobre o que é a Astrogeologia e o que representa a Geologia Planetária, estás certo de que é este o teu caminho? Se a resposta é sim, ficamos a torcer pelo teu sucesso.

Mas se ainda não tens a certeza, usa o nosso Simulador de Profissões para veres outras profissões que podem ser perfeitas para ti!

Partilhar Post

Deixa o teu testemunho

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top