Ghost Writer

Ghost Writer

Resumo da profissão

Modalidades:

Teletrabalho, Presencial, Ar Livre

Matérias relacionadas:

História História da Cultura e das Artes Línguas Literatura Matemática Multimédia Sociologia

Idiomas:

Espanhol, Francês, Inglês, Português

Ghost writer, também chamado de ghostwriter ou escritor-fantasma, é um profissional que vende a autoria das suas obras, ficando esta para o contratante (quem compra a obra). Na prática, este profissional produz (escreve) um texto, seja ele de que dimensão e estilo for, e vende-o, cedendo os direitos de autor, assim como a autoria da obra (assinatura).

O ghostwriter, ou escritor-fantasma, nunca recebe créditos pelos seus textos, sendo essa a condição inicial do contrato, com a cessão dos direitos de autor. O profissional estabelece um valor para a venda da sua obra, o cliente paga esse valor e fica livre para usá-la da forma que entender, pois passa a ser o seu “dono”.

Sem dúvida, o mercado digital veio abrir muitas portas para estes profissionais que veem, hoje em dia, as suas oportunidades de trabalho multiplicarem. Como é um trabalho que se pode exercer pela Internet, as possibilidades de mercado são enormes.

O escritor-fantasma pode escrever desde livros, a artigos jornalísticos, ou até mesmo textos de marketing de conteúdo para a internet. Então, a empregabilidade é muito alta, tendo em conta a crescente procura deste tipo de serviços.

Neste artigo, vamos mostrar-te tudo o que precisas saber para entrares nesta carreira com o pé direito.

Vens connosco?

O que é um Ghostwriter?

O ghostwriter, ou ghost writer, é um profissional que escreve textos, mas não assina por esses conteúdos. Ele vende os créditos de autoria para que uma empresa ou outra pessoa possa publicá-lo como seu, mediante um contrato ou um acordo de cessão de direitos de autor.

O escritor-fantasma pode escrever e vender todo o tipo de conteúdo, desde livros, a artigos para blogs. Ele é pago pela obra, independentemente de esta ser um sucesso, ou não.

Esta é, sem dúvida, uma das grandes vantagens desta profissão. Por exemplo, quando escrevemos um livro, nunca sabemos quanto vamos vender e, consequentemente, é difícil prever os nossos ganhos.

Quando atuamos como escritor-fantasma, cobramos pelas horas de trabalho, sem estarmos preocupados se o produto vai, ou não, vender.

O que faz um Ghost Writer (Escritor-Fantasma)?

O ghost writer produz textos que outras pessoas querem comprar, mas sem que isso implique a assinatura do escritor, daí o nome de escritor-fantasma. 

Este profissional é contratado para desenvolver um texto (independentemente de sua dimensão ou estilo literário) com características pré-definidas, como o tema ou dimensão. No final do trabalho, o profissional recebe o valor previamente acordado, mas não recebe créditos pela autoria, mesmo que a obra se torne um best-seller. 

Isto quer dizer que não existe qualquer tipo de violação caso a obra se divulgue com a assinatura de outra pessoa que não o profissional. 

Como se tornar um bom Ghost Writer?

Agora que já sabes o que é e o que faz um escritor-fantasma, é importante descobrires o que é preciso para te tornares um bom ghost writer. Sem dúvida, esta é uma profissão que envolve muita prática e desenvolvimento de habilidades pessoais.

Vejamos agora o que devemos fazer para nos tornarmos bons escritores-fantasma.

Praticar diariamente

A prática leva à perfeição. É assim em todas as profissões e não podia ser diferente na carreira de ghostwriter. A técnica da escrita (principalmente da redação) é desenvolvida através de muitas horas de treino. Escrever todos os dias é essencial para praticares e desenvolveres as tuas habilidades de:

  • Organização de ideias
  • Argumentação
  • Exposição do tema

Além disso, quando escreves muito, todos os dias, vais aumentar o teu vocabulário, além de reduzires os erros gramaticais.

Desenvolver textos sobre vários temas

Quando trabalhamos como escritor-fantasma, podemos ser abordados para escrever sobre os mais variados temas. Nesse sentido, devemos estar preparados para escrever um romance, um artigo científico ou um artigo sobre economia.

Por isso, se queres ser um bom ghost writer, deves escrever textos sobre muitos temas. Podes, por exemplo, pegar em alguns temas de um jornal e desenvolvê-los.

Saber distanciar-se dos conteúdos

Como ghost writer, é importante que te distancies dos textos que escreves. Não vais ver o teu nome na capa de um livro, nem uma menção num site. Por isso, o ideal é que escrevas o teu texto, envies ao cliente e depois “esqueças” que existe.

Como também não vais poder dizer que foste tu que escreveste (pois assinaste um contrato ou fizeste um acordo de sigilo), o melhor é mesmo olhares para esse texto como um bem que vendeste.

Embora este anonimato possa incomodar alguns escritores, devemos olhar para este trabalho como uma oportunidade. Como não terás o teu nome vinculado à obra, vais escrever com muito mais liberdade.

Manter distanciamento do cliente final

Na maior parte das vezes, o ghostwriter não estabelece contacto direto com o cliente final. Normalmente, quem contrata os serviços de ghost writing não é a empresa que assume a autoria dos conteúdos.

Este distanciamento é bom para as duas partes. A empresa não conhece o redator, não cria vínculos com ele, assim como o escritor não sabe quem é a empresa e acaba por desenvolver textos mais autónomos.

Quais as funções do Ghost Writer?

Um ghost writer tem como funções principais recolher informações, selecionar aquelas que são importantes e organizá-las de forma a produzir um texto coerente e com qualidade.

Este profissional é responsável por criar um texto coerente, bem escrito, com ideias organizadas e informações relevantes. Tem também a obrigação de manter o sigilo, não revelando ser o autor da obra, a não ser que seja acordado previamente a sua menção como coautor ou colaborador.

Sendo assim, a sua função é de, simplesmente, redação da obra, produzindo-a em nome de outro, sem ter créditos por ela.

No caso de estarmos a criar uma biografia, por exemplo, para que o produto final esteja de acordo com as expectativas, o profissional tem o dever de conhecer aquele que assinará a obra, de forma a que não haja uma distorção de personalidade.

Áreas em que trabalha o Escritor-Fantasma

O ghost writer poderá trabalhar em diversas áreas, entre elas:

Auto-biografias e biografias

Muitas auto-biografias e biografias, talvez a maior parte, são escritas por ghost writers, pois a pessoa que vai assinar não tem habilidades que lhe permitam escrever uma obra literária, ou não têm tempo para isso. Estes conteúdos são grandes e exigem muito do escritor-fantasma.

Além da produção do conteúdo em si, é preciso realizar entrevistas, fazer pesquisas e reunir com o contratante para perceber se estamos a ir no rumo certo.

Livros

Muitos livros são, na verdade, escritos por pessoas que não assinam a obra. Existem variadíssimas razões para isso, desde a falta de inspiração à falta de tempo. 

Regra geral, o cliente passa o tema do livro que quer desenvolver e, em alguns casos, pode passar o resumo da história, ou uma linha orientadora da mesma. A partir desse pequeno esboço, o ghostwriter desenvolve o livro, com enriquecimento das personagens e da trama.

Artigos para Internet / Blog Posts

Este é um mercado em crescente expansão, tendo em conta a importância que a Internet tem vindo a conquistar no dia a dia de todos. O número de sites tem vindo a crescer nos últimos tempos e, por isso, a quantidade de artigos tem crescido imenso. Como muitas pessoas criam um site mas não têm talento, ou tempo, para desenvolver conteúdo de qualidade, optam por contratar um ghost writer.

Neste mercado em particular, além de talento para a escrita e criatividade, é importante teres conhecimentos sobre otimização de conteúdo (Content SEO) para que os artigos sejam bem classificados pelos motores de pesquisa (como o Google, por exemplo). Além de estratégias de SEO, tens de ter conhecimentos em marketing de conteúdo, desenvolvimento de personas e linguagem para web.

E-books

Da mesma forma que os artigos para a Internet, os e-books têm vindo a crescer. São livros digitais, geralmente mais pequenos, sobre diversos temas e em variadíssimos estilos. A maioria dos e-books que temos disponíveis foram escritos por ghost writers.

No desenvolvimento de um e-book, além da criatividade e habilidade para a escrita, também é importante teres alguns conhecimentos sobre design (é possível que fiques encarregue de desenvolver a capa e o design do e-book).

E-mails

Muito provavelmente já ouviste falar em e-mail marketing. É uma forma de dar a conhecer a empresa, o produto, o serviço, ao mesmo tempo que convencemos o leitor a adquirir algum dos nossos produtos ou serviços. Este é um tipo de escrita muito particular e, por essa razão, é muitas vezes desenvolvido por um escritor-fantasma, com conhecimentos específicos para tal. Se queres apostar neste mercado, o ideal é que faças uma formação em email marketing.

Discursos

Discursos políticos, académicos, de liderança, entre outros, são, muitas vezes, produzidos por um ghost writer, o qual tem a capacidade de usar a linguagem a favor de um objetivo final. Este é um serviço muito particular, pois precisas ter conhecimentos de copywriting.

Para entenderes melhor este mercado dos discursos, aconselhamos-te a que conheças a profissão de Copywriter.

Saídas no Mercado de Trabalho

Este é um mercado em franca expansão, muito por causa da Internet e do mercado digital. Hoje em dia, muitas empresas estão a investir em sites, blogs, apps, redes sociais, marketing digital, e por isso recorrem muito ao ghost writer. Da mesma forma, os e-books e obras digitais vieram dar uma nova oportunidade a estes profissionais. 

O marketing digital, cada vez mais procurado pelas organizações, é outra área com muita saída. Neste caso, às habilidades de redação, juntamos os conhecimentos em estratégias de otimização de conteúdo (SEO de conteúdo). Esta é uma forma de redação muito particular, que requer conhecimentos específicos e, por essa razão, com bastante saída no mercado online.

A estas novas formas de atuação, juntamos as tradicionais, de auto-biografias, livros e discursos.

Quanto custa o serviço de um Ghost Writer?

O ghost writer trabalha como profissional autónomo, ou seja, desenvolve uma atividade freelancer. Assim, o custo do serviço de ghost writing vai variar muito de pessoa para pessoa, e até mesmo de acordo com o projeto.

Quando o escritor-fantasma já tem muita experiência e é reconhecido pelo seu trabalho (acontece muito, por exemplo, em editoras, quando o ghost writer já é conhecido por escrever biografias de pessoas famosas), o custo dos seus serviços é mais alto.

O valor também depende muito do projeto. O valor cobrado por desenvolver um livro é bem mais elevado do que o valor cobrado para fazer um artigo para um blog ou site.

O ideal é que o ghostwriter defina o seu valor por hora e depois consiga fazer os orçamentos de acordo com esse valor estipulado.

Por exemplo, sabemos que determinado artigo para um blog demora 2 horas a concluir. Se o nosso valor por hora for de 12 euros, então cobramos 24 euros pelo projeto (deves pensar também no valor dos impostos, acrescentando uma percentagem ao valor por hora).

Como entrar na carreira de Ghost Writer?

Para entrares na carreira de ghost writer não precisas, obrigatoriamente, de te formar em letras. No entanto, é obrigatório teres uma escrita correta e bem desenvolvida. Além disso, é importante teres uma boa capacidade de organização de ideias e saber transmiti-las nos teus textos.

É também importante teres bons conhecimentos de cultura-geral, tendo em conta que são pedidos textos nos mais variados temas, além de entenderes diferentes culturas. 

Tendo estas características, para começares a tua atuação no mercado, é fundamental ganhares experiência e nome no mercado. Existem dezenas de plataformas online para ghostwriters, como a Workana, Freelancer.com, entre outras. 

Como ser Ghost Writer em Portugal e no Brasil?

Como dissemos, não existe uma formação específica para quem quer seguir a carreira de ghost writer. No entanto, existem alguns passos importantes que deves seguir para seres ghost writer em Portugal, assim como no Brasil.

  • Experiência – Um escritor-fantasma tem de ser ágil na produção de conteúdos. Essa agilidade e rapidez conseguem-se com a experiência. Assim, se queres ser um ghostwriter de sucesso, aposta na prática.
  • Estudos – Como o escritor-fantasma escreve sobre diferentes tópicos, é importante que não deixes de lado os estudos. Mantém o teu conhecimento atualizado, procura saber mais sobre outros temas e nunca deixes de ler muito. A leitura é indispensável para qualquer escritor.
  • Define o teu mercado – Como vimos ao longo deste artigo, podes atuar em diferentes mercados como ghost writer. Embora possas trabalhar em todas as áreas, o ideal é que escolhas o mercado que melhor se adapta a ti e, assim, podes especializar-te nesse tipo de conteúdo.

Onde estudar para Ghost Writer?

Não existe um curso superior de ghost writing, mas alguns cursos podem ser úteis para o desenvolvimento deste trabalho:

Portugal:

Brasil:

O marketing digital é fundamental para os ghostwriters que pretendem investir na produção de conteúdo para a internet, principalmente no que diz respeito à otimização dos textos para a internet. Atualmente encontras formação na internet com facilidade. 

Apesar de não ser obrigatória a formação superior, o conhecimento nunca é demais e é sempre uma mais-valia para o desenvolvimento de um bom trabalho. Se queres ser reconhecido por um trabalho de excelência de ghost writer, não deves descartar a hipótese de uma formação que agregue valor ao teu trabalho. Sucesso!

Partilhar Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Scroll to Top

A tua opinião conta para nós!

Participa no Inquérito de Satisfação do Guia das Profissões e ajuda-nos a melhorar. Responde agora e ganha o e-book “Como organizar o Seu Tempo?”

mulher apontando