Cardiologista de Intervenção

Cardiologista de Intervenção

Mais sobre a profissão

Modalidades:

Presencial

Matérias relacionadas:

Biologia Física Matemática Química

Idiomas:

Francês, Inglês, Português

O cardiologista de intervenção é um médico cardiologista que se subespecializou em Cardiologia de Intervenção. Ele utiliza técnicas de diagnóstico e tratamento pouco invasivas, as quais são feitas por vias percutâneas.

A Cardiologia é uma das especialidades médicas que mais têm evoluído, até porque o investimento na investigação nesta área é grande, muito pela mortalidade decorrente de doenças e patologias cardíacas. Dentro da Cardiologia encontramos outras subespecialidades, até porque se trata de uma área muito complexa e que necessita de conhecimentos específicos.

Se gostavas de trabalhar em Cardiologia, então tens de conhecer a subespecialidade de Cardiologia de Intervenção. Esta está a crescer com muita rapidez em todo o mundo e pode ser uma excelente oportunidade de carreira.

Neste artigo vamos mostrar-te tudo o que precisas saber sobre ela. Vais descobrir o que faz um cardiologista de intervenção, as funções que tem no seu dia a dia, as saídas no mercado de trabalho, assim como o percurso académico que terás de fazer para seguir a profissão.

Curioso? Então segue connosco!

O que faz um Cardiologista de Intervenção?

O cardiologista de intervenção realiza técnicas de diagnóstico e de tratamento pouco invasivas. Os pacientes são encaminhados para este especialista quando são necessários exames de diagnóstico complementares, ou então quando se opta por uma intervenção terapêutica não invasiva.

Estas terapêuticas vieram dar a oportunidade de os pacientes terem uma recuperação mais rápida, e com menos riscos, em relação às técnicas mais invasivas que se usavam anteriormente, por meio de cirurgia cardiotorácica.

Sem dúvida, a Cardiologia é uma das especialidades médicas que mais tem evoluído. Surgiram várias tecnologias, as quais trouxeram excelentes resultados clínicos. Por causa destes avanços, conseguiu-se uma redução de 25% na mortalidade por doença cardiovascular nos últimos 20 anos. A Cardiologia de Intervenção é um exemplo claro disso mesmo.

Como vimos, a Cardiologia de Intervenção divide-se, portanto, em dois procedimentos distintos: os de diagnóstico e os terapêuticos.

Dentro das técnicas de diagnóstico temos o cateterismo cardíaco de diagnóstico e o estudo eletrofisiológico de diagnóstico.

Já nas técnicas de terapêutica temos o cateterismo cardíaco terapêutico, ou de intervenção, implantação e substituição de pacemaker (temporário ou definitivo), implantação de balão intra-aórtico e o estudo eletrofisiológico com ablação.

No caso do estudo eletrofisiológico de diagnóstico ou com ablação, estes são feitos pelo médico especialista em Eletrofisiologia Cardíaca.

Os cardiologistas de intervenção são profissionais com muita experiência nestes procedimentos, assim como nos procedimentos hemodinâmicos invasivos, intervenções coronárias e cateterismos de diagnóstico.

Quais as suas funções

O cardiologista de intervenção tem como função fazer o diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas, quando estes podem ser feitos sem recorrer a cirurgia. Usa, portanto, cateterismos, os quais tornam a intervenção mais fácil. Geralmente, este profissional centra as suas atividades no diagnóstico e no tratamento de enfartes do miocárdio e da doença coronária.

Na maioria dos casos, é feita uma punção arterial, no punho, acedendo assim às artérias coronárias por meio de cateteres (angioplastia). A vantagem é que apenas é usada uma anestesia local e o paciente fica acordado em todo o procedimento, evitando problemas e riscos advindos da anestesia geral.

Quando usamos este procedimento, conseguimos verificar a existência, ou não, de lesões ateroscleróticas e conseguimos restaurar a circulação sanguínea no coração.

Esta subespecialidade também diagnostica e trata outras patologias cardíacas, como, por exemplo, a estenose aórtica. Esta doença diminui a qualidade de vida dos pacientes e pode ser uma causa de morte. Além disso, os pacientes que sofrem desta doença correm um risco cirúrgico intermédio e elevado. Por isso, a atuação do cardiologista de intervenção é essencial para evitar problemas futuros.

Neste caso, o especialista implanta, por meio de cateterismo, uma prótese valvular. A grande vantagem é que conseguimos efetuar este procedimento sem recorrer a cirurgia. Como a maioria dos pacientes têm mais de 80 anos, este procedimento é o único possível.

Sabendo que a esperança média de vida é cada vez maior, esta subespecialidade torna-se cada vez mais importante.

Conhece também a profissão de Cardiologista Pediátrico

Saídas no Mercado de Trabalho

O cardiologista de intervenção pode trabalhar em hospitais públicos e privados. Embora a área da medicina seja a que mais contrata, a especialidade em cardiologia é a mais concorrida e as vagas anuais são muito reduzidas. Por isso, esta é uma subespecialidade difícil de entrar, mas não impossível. Os melhores dos melhores conseguem, o que quer dizer que terás de te esforçar muito ao longo de toda a carreira e percurso académico.

No Brasil o cenário é muito parecido. Muitos médicos sonham trabalhar em Cardiologia, o que torna difícil encontrar uma vaga para a especialidade. No entanto, nada é impossível. Com esforço, dedicação e muito estudo, vais conseguir uma vaga em Cardiologia de Intervenção.

Como entrar na carreira de Cardiologista de Intervenção?

Se queres seguir a profissão de cardiologista de intervenção em Portugal, primeiro tens de fazer o curso de Medicina, o qual tem duração de 6 anos. Depois de concluídos estes 6 anos, deves fazer o Ano Comum (internato médico que é feito para todas as especialidades), seguido do internato médico em Cardiologia.

Para te candidatares à subespecialidade de Cardiologia de Intervenção, além do título de cardiologista, tens de estar inscrito no Colégio da Ordem dos Médicos na especialidade de Cardiologia. Além disso, precisas ter formação teórica e prática em Cardiologia de Intervenção e Hemodinâmica.

No Brasil o percurso académico é idêntico. Primeiro terás de fazer a graduação em Medicina (6 anos) e depois a residência em Clínica Médica (2 anos). Depois tens de prestar concurso para os centros de residência em Cardiologia. Se fores aprovado no exame, depois fazes um estágio de 2 anos para te tornares especialista.

Só depois podes concorrer à subespecialidade de Cardiologia de Intervenção, tal como em Portugal.

Vejamos agora algumas instituições nas quais podes tirar o teu curso de Medicina.

Onde estudar Medicina?

Portugal:

Brasil:

Gostavas de ser cardiologista de intervenção? Então dedica-te bastante, pois este vai ser um percurso longo e difícil. Acredita em ti, nas tuas capacidades, pois vai valer a pena. Sucesso!

Partilhar Post

Deixa o teu testemunho

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top