Músico de Orquestra

músico de orquestra

Mais sobre a profissão

Modalidades:

Presencial

Matérias relacionadas:

História da Cultura e das Artes Matemática Oficina de Artes

Idiomas:

Inglês, Português

O músico de orquestra é, tal como o nome indica, um instrumentista que atua em orquestras. Este artista domina o seu instrumento, assim como o repertório de orquestra (música erudita, principalmente).

Os músicos de orquestra são grandes conhecedores da música erudita e dedicam a sua vida ao instrumento que escolherem como uma “extensão do próprio corpo”.

Através do instrumento musical, eles são capazes de transmitir emoções, sentimentos e pensamentos. Por isso, falamos do instrumento como uma extensão do corpo de um músico. É através dele que o músico “fala”.

Se adoras música e o teu sonho é tocar numa grande orquestra, então a profissão de músico de orquestra pode ser perfeita para ti. Sim! Porque é possível viver profissionalmente da música!

Vem connosco e descobre aqui como é o dia a dia deste profissional e o que precisas fazer para entrar nesta carreira.

O que faz um Músico de Orquestra?

O músico de orquestra atua em orquestras, de diferentes dimensões, nas quais toca o seu instrumento musical. Ele estuda as partituras que serão interpretadas, ensaia com os restantes músicos da orquestra, e depois realiza espetáculos, podendo estes ser em recintos fechados ou ao ar livre.

Este músico é um grande conhecedor das terminologias musicais e domina a teoria musical. Além de se orientar pela partitura, ele segue as instruções do maestro (regente). Numa orquestra, é o maestro que realmente interpreta as obras, orientando todos os instrumentistas.

Sendo assim, o entendimento e compreensão do maestro é essencial para que os músicos de orquestra desempenhem um bom trabalho e consigam um bom resultado.

Tipos de Orquestras

Existem 3 tipos de orquestras: as de câmara, as sinfónicas e as filarmónicas. Na prática, não existem diferenças entre as orquestras sinfónicas e filarmónicas. Esta adjetivação é mais importante para distinguirmos orquestras de uma mesma localidade, e mostra-nos como ela é, ou foi, sustentada.

Em tempos, a orquestra sinfónica era sustentada por uma instituição pública, enquanto a filarmónica era suportada por uma instituição privada. Nas orquestras sinfónicas, encontrávamos músicos profissionais e elas existiam com o objetivo de gerar lucro. Ao contrário, as orquestras filarmónicas eram compostas por músicos amadores, e as apresentações não tinham como intuito gerar lucro.

Atualmente, esta nominação não está relacionada com este aspeto, e não existe diferença entre elas.

A orquestra de câmara tem um número menor de músicos que os outros dois tipos de orquestras. Enquanto as orquestras filarmónicas e sinfónicas têm entre uma e duas centenas de músicos, na orquestra de câmara pode ir de uma a duas dezenas de músicos.

Além do número de integrantes, existe também uma diferença nos tipos de instrumentos que se apresentam. Na orquestra de câmara, tem apenas um ou dois tipos de instrumentos (de sopro – madeira ou metal – cordas e percussão).

É comum que as orquestras de câmara se apresentem apenas com um tipo de instrumento.

Constituição da Orquestra

Regra geral, a orquestra sinfónica ou filarmónica tem mais de oitenta músicos, embora seja muito comum que conte com mais de cem integrantes.

As orquestras podem ter músicos contratados, assim como músicos freelancers, os quais não fazem parte do conjunto oficial.

Isto acontece principalmente quando uma orquestra não tem na sua composição um saxofonista, ou um harpista, por exemplo, e vão apresentar uma obra com estes instrumentos musicais.

Numa orquestra sinfónica, ou filarmónica, encontramos cinco classes de instrumentos. São eles:

  • Cordas – Violoncelo, violino, contrabaixo, viola, harpa
  • Metais – Trombone, trompete, tuba, trompa
  • Madeiras – Flautim, flauta, clarinete, fagote, contrafagote, oboé, clarinete baixo, corne-inglês
  • Percussão – triangulo, bombo, caixa, tímpano, pratos, entre muitos outros
  • Teclas – Cravo, piano e órgão (embora estes sejam instrumentos de cordas, surgem separados dos restantes, pelas suas especificações)

Em cada um destes grupos temos um solista, que é o músico principal do seu grupo, e é ele que lidera os restantes músicos da sua classe de instrumentos. É o solista que faz os solos das peças.

Os violinistas são divididos em 2 grupos distintos, os primeiros e segundos violinos. Neste caso, temos o solista nos primeiros violinos (chamado de chefe, spalla ou maestrino, costuma ser o principal de toda a orquestra, e não apenas do seu grupo), assim como outro solista no grupo dos segundos violinos.

No grupo dos metais, é o trompetista que costuma liderar e nas madeiras é o primeiro flautista.

Quais as suas funções

Um músico de orquestra tem como função estudar as obras que serão apresentadas ao público, ensaiar com os restantes músicos da orquestra e fazer a apresentação ao vivo em espaços fechados, ou ao ar livre.

Além de estudar as partituras, ele deve trabalhar com o maestro para que a interpretação dada seja aquela que o regente deseja. Como vimos, é um maestro que interpreta a obra musical, sendo que o instrumentista é a peça que torna possível que o Público assista a interpretação do regente.

Sendo assim, os músicos de orquestra têm de ter consciência plena de que a palavra a seguir é sempre a do maestro, mesmo que a interpretação dada não vá ao encontro daquela que o músico deseja.

Como falamos de uma apresentação com centenas de músicos, não podemos colocar a responsabilidade da interpretação da obra nos instrumentistas. Caso contrário, cada um daria o seu próprio cunho à obra, não havendo, então, uma coesão entre o grupo.

Saídas no Mercado de Trabalho

Em Portugal, embora o número de orquestras não seja assim tão grande, encontramos várias vagas de trabalho para músicos de orquestra. Como se procuram os melhores entre os melhores, é importante que um músico seja capacitado e tenha total domínio do instrumento musical.

Apesar de não encontrarmos muitas vagas de emprego, a verdade é que também não existem assim tantas pessoas que queiram seguir uma carreira profissional como músico de orquestra. Portanto, se queres investir mesmo nesta profissão, deves procurar concursos de admissão para as diferentes orquestras portuguesas.

Os salários são bons, mas variam conforme o papel que desempenha na orquestra. Por exemplo, um solista, ou um primeiro violino, tem um salário superior aos restantes violinistas.

No Brasil, os músicos de orquestra têm de passar por um concurso de admissão. Eles podem ser registados em regime CLT, ou então podem ser contratados como freelancers, por espetáculos ou por um período determinado.

Sem dúvida, no Brasil existe uma grande falta de músicos dedicados a prática da orquestra, o que faz com que muitas das orquestras brasileiras contrato tem músicos estrangeiros, principalmente do leste europeu.

Portanto, não é difícil perceber que o mercado de trabalho para os músicos de orquestra brasileiros é favorável, e pode mesmo ser uma excelente oportunidade de carreira, tendo em conta que os salários podem ir dos 4000 aos 10000 reais por mês.

Como entrar na carreira de Músico de Orquestra?

Para seres um músico de orquestra tens de ter conhecimentos alargados de teoria musical, além de teres de dominar por completo o teu instrumento musical. Embora não se exija uma formação superior, teres estes conhecimentos é indispensável para seres admitido numa orquestra.

Para que alguém domine um instrumento musical, é preciso muitas horas de treino e estudo ao longo da semana, e por muitos anos. Por isso, diz-se que o músico tem de começar a aprender jovem. Sem dúvida, este não é um caminho fácil. No entanto, quando gostamos mesmo do que fazemos, todo o nosso esforço é recompensado.

Frequentar um conservatório ou uma escola de música é, então, um primeiro passo para quem quer seguir esta carreira. É possível também ter aulas individuais para aperfeiçoar a técnica do instrumento.

Onde estudar para Músico de Orquestra?

Como dissemos, a única exigência que se faz ao músico de orquestra é que domine o seu instrumento musical e que tenha conhecimentos da teoria musical, permitindo-lhe ler e reproduzir uma partitura.

No entanto, esse conhecimento não é inato e, assim, um curso na área da música torna-se quase indispensável. Pode não ser um curso superior, mas é certo que os cursos universitários te dão mais ferramentas para o dia a dia, além de te abrirem muitas portas no mercado de trabalho.

Para te ajudarmos, reunimos aqui alguns cursos que te podem interessar. Ora vê!

 Portugal:

Brasil:

Se o teu sonho é fazeres parte de um grande projeto como músico de orquestra, então investe muito na tua formação. Estuda e treina muito, pois é isso que fará de ti um instrumentista de referência. Sucesso!

Partilhar Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top