Olivicultor

Olivicultor

O olivicultor é a pessoa que cultiva oliveiras e colhe os seus frutos, as azeitonas, que podem ser usadas para consumo in natura, ou então para a produção de azeite. Portugal é um dos países de referência no que diz respeito à produção de azeite. Por isso, a olivicultura é um setor muito importante para a economia nacional, senão o principal dentro da agricultura.

Outros nomes para esta profissão:

  • Modalidades: Ar Livre
  • Ordenado Médio Mensal: 1000€ - 1500€
  • Empregabilidade: Média
  • Empregabilidade: Trabalho Solitário, Trabalho em Equipa
  • Disciplinas do Secundário/ensino médio: Educação Física, Materiais e Tecnologias
  • Idiomas: Português

Portugal pode mesmo vir a tornar-se a maior referência mundial na olivicultura moderna. Estima-se que nos próximos 10 anos se torne o 3º maior produtor de azeite, e o 7º país com maior área de olival de todo o mundo.

O Alentejo é, sem dúvida, a região do país com maior extensão de olivais, muito pelas características do solo e clima que são boas para o desenvolvimento da olivicultura.

Embora falemos aqui em 10 anos, hoje em dia Portugal já é uma referência mundial no setor, sendo o 9º país com maior área de olival, o 8º maior produtor de azeite, e o 7º maior produtor de azeitona em todo o mundo.

Por isso, se queres uma profissão que te abra portas para o futuro, a olivicultura pode ser a resposta que tanto procuravas.

Queres saber mais sobre ser olivicultor? Então continua connosco porque vamos contar-te tudo!

O que faz um Olivicultor?

O olivicultor é aquele que planta e cultiva oliveiras, que trata do olival, e que faz a colheita das azeitonas.

Em Portugal, a olivicultura tem vindo a modernizar-se e a transformar-se. Atualmente, apenas 37.2% dos olivais são tradicionais. O olival moderno em copa representa 33.2% do total dos olivais, e o moderno em sebe 29.6%.

Esta transformação foi rápida. Em 1999 o olival moderno representava apenas 2% do total de olivais, ao passo que hoje em dia já representa 63%!

Então, quem quer entrar nesta carreira, tem de entrar no mercado moderno da olivicultura. Não só porque é o futuro do setor, como é a única forma de sobreviver perante a concorrência.

Para teres uma ideia, nos últimos 18 anos, Portugal quadruplicou a produção de azeitonas, tudo graças à modernização do setor, que se tornou bem mais produtivo e eficiente.

A maioria das azeitonas produzidas no país destina-se à produção de azeite. Só 3.6% das azeitonas são usadas para consumo in natura.

Da mesma forma que se verificou um aumento da produção de azeitona, também houve um aumento de produção de azeite. Em 2000 houve uma produção de 40 mil toneladas de azeite, e em 2018 produziram-se 134.684 toneladas.

As exportações de azeite português têm crescido muito nos últimos anos, sendo atualmente o 5º maior exportador do mundo. A qualidade do azeite é o grande diferencial, e só se consegue bom azeite com boas azeitonas.

Por isso, o olivicultor é essencial neste mercado que é tão importante para a economia nacional.

Quais as suas funções

O olivicultor tem como função principal o cultivo de oliveiras, o tratamento e manutenção do olival, e a colheita da azeitona.

A variedade de azeitona mais comum no país é a Galega Vulgar. Ela é muito sensível a pragas, como moscas, traças, gafa, cochonilha e tuberculose. Por isso, o olivicultor tem de estar sempre atento ao estado do seu olival, controlando o aparecimento destas pragas que podem acabar com uma produção inteira.

É por essa razão que hoje se opta por plantar outras variedades de azeitonas, que são mais produtivas e consegue-se extrair uma maior percentagem de azeite, como, por exemplo, a Arbequina, a Cobrançosa e a Picual.

As oliveiras precisam também de cuidados com a sua nutrição. Elas são muito sensíveis à falta de cálcio, azoto e potássio. Por isso, os solos têm de ser estudados e fertilizados, sempre que necessário. Os solos normalmente não são ricos em fósforo. Mas as oliveiras precisam deste nutriente. Então, é normal ter de adicionar este nutriente.

Nesse sentido, os olivais precisam ser adubados todos os anos. Mas o olivicultor tem de fazer análises ao solo para determinar as reais necessidades.

À medida que as árvores vão envelhecendo, elas produzem menos azeitonas. Para evitar uma diminuição da produção, é preciso fazer podas de renovação.

As oliveiras também precisam ser regadas para se produzirem boas azeitonas e, consequentemente, bom azeite. Além disso, uma boa rega faz com que a produção seja maior. O olivicultor tem de ter especial atenção com a irrigação em dois períodos críticos: fase de desenvolvimento do caroço e na fase de desenvolvimento da polpa.

O final do processo dá-se com a colheita da azeitona, que deve ser feita na altura certa. Ela é limpa ainda no olival, para que os defeitos não sejam transmitidos para o azeite.

Saídas no Mercado de Trabalho

Sem dúvida, a olivicultura é um setor em crescimento no nosso país, e em constante modernização. Esta transformação do olival tradicional para o olival moderno veio colocar Portugal num dos maiores produtores de azeitonas e azeite ao nível mundial.

Por isso, este é um negócio de futuro, não só pelo lucro que se obtém, mas também por dar emprego a muitas pessoas o ano inteiro.

Se quiseres trabalhar na olivicultura, encontras facilmente trabalho em oliviculturas, mas também podes tornar-te um empresário, com o teu próprio olival. É claro que isto implica um investimento grande no início, mas o retorno vale a pena!

Como entrar na carreira de Olivicultor

Se queres ser olivicultor, então tens de te dedicar a estudar tudo sobre olivais, azeitonas e, se quiseres, sobre azeite também.

O ideal é teres um curso técnico superior profissional em Olivicultura, Azeite e Azeitona. Geralmente este curso tem a duração de 2 anos (4 semestres). É importante que escolhas um curso que siga as regras estabelecidas pela legislação e de acordo com as orientações do Conselho Coordenados dos Institutos Superiores Politécnicos.

Onde estudar Olivicultura

Portugal:

Brasil:

Se queres ser um grande olivicultor, então não deixes de estudar muito antes de dares o próximo passo. Acredita que vai valer a pena todo este esforço!

Partilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima