Astroquímico / Astroquímica

Astroquímico - Astroquímica

Mais sobre a profissão

Modalidades:

Teletrabalho, Presencial

Matérias relacionadas:

Física Matemática Química

Idiomas:

Inglês, Português

A Astroquímica é a química aplicada ao espaço. Assim, o Astroquímico é uma mistura de Astrónomo com Químico, pois aplica os conceitos das duas ciências no seu trabalho diário.

Os objetos de estudo do Astroquímico são coisas como átomos, moléculas e as reações químicas no espaço. Mas também analisa a matéria gasosa das estrelas e dos sistemas solares, entre outros fenómenos.

Assim, o profissional de Astroquímica precisa de saber a tabela periódica de cor e salteado para a aplicar ao contexto do espaço. Repara que tem de analisar as substâncias químicas que existem no espaço.

Há substâncias, como, por exemplo, o hidrogénio, que se repetem, tanto no espaço como na Terra. Mas algumas são apenas espaciais. Cabe, assim, ao Astroquímico perceber o papel que cada uma dessas substâncias tem na composição do universo.

Mas fica connosco para saberes mais sobre esta ciência misteriosa…

O que é a Astroquímica

A Astroquímica é uma ciência recente, pois as suas origens são situadas em 1963. Contudo, nos últimos anos, viveu uma grande evolução com as conquistas espaciais, por exemplo, com as sondas que recolhem materiais em outros planetas.

Além disso, os avanços na Astronomia reforçaram esta nova ciência que estuda os fenómenos químicos do espaço. Assim, procura perceber a constituição e a evolução química do nosso universo.

A Astroquímica junta conceitos e métodos da Química e da Astronomia, mas também da Física. O seu objetivo é explicar a origem e a formação das moléculas interestelares e das moléculas que estiveram na base da origem da vida na Terra.

O que faz um Astroquímico

Os Astroquímicos estudam átomos e moléculas, mas num âmbito espacial. Soa-te estranho, verdade? Mas é mesmo isso. O seu trabalho passa por perceber as substâncias químicas que estão presentes no espaço, para melhor perceber o universo onde existimos.

Assim, utilizam ferramentas como radiotelescópios para detetar a radiação dos objetos espaciais. Mas também para descobrir ondas infravermelhas, ultravioletas, gama e de rádio.

Além disso, recorrem a softwares informáticos para ajudar a entender as suas observações, nomeadamente para aplicar conceitos físicos e químicos.

Os dados que recolhem e analisam são importantes para contar a história das origens do universo, em conjunto com os saberes de Astronautas e Astrofísicos, entre outros profissionais.

A Astroquímica existe entre a Astronomia e a Física experimental e, portanto, realiza experiências em laboratórios de Física e de Química. Assim, o Astroquímico faz simulações dos ambientes extraterrestres para tentar perceber os processos químicos e físico-químicos que lá ocorrem.

Este trabalho pode passar, por exemplo, por reproduzir em laboratório o gelo encontrado em nuvens de gás e poeira interestelar.

A missão do Astroquímico é responder a dúvidas de “Como é que a vida na Terra começou?”, ou “Como é que o Sistema Solar se formou?”, entre outras.

Diferença entre Astroquímica e Astrofísica

A Astroquímica e a Astrofísica tocam nos mesmos pontos existenciais do universo. Mas são duas ciências distintas e já vais perceber porquê.

Assim, a Astroquímica está focada nas interações químicas que ocorrem no espaço, por exemplo, de que forma é que as substâncias atuam numa estrela, ou num ambiente sem gravidade.

Por outro lado, a Astrofísica lida mais com as propriedades físicas dos corpos celestes. Deste modo, tenta perceber como se formam e como agem com outros corpos celestes.

Quais as suas funções

O dia a dia de um Astroquímico é semelhante ao de qualquer outro cientista ou investigador. Assim, o seu trabalho passa por fazer pesquisas e experiências laboratoriais, mas também por redigir artigos científicos.

Por outro lado, pode dar aulas e orientar alunos nas suas aprendizagens ou trabalhos científicos.

Mas, no fim de contas, tudo depende da vertente da Astroquímica que o profissional abraçar.

Áreas da Astroquímica

Vê que a Astroquímica pode ser dividida em três grandes subáreas:

  • Teórica – neste caso, o Astroquímico concentra-se na análise teórica dos dados astroquímicos recolhidos por outros colegas.
  • Observação – estes profissionais têm como “melhor amigo” o telescópio, pois dedicam-se à observação astroquímica para fazerem os seus estudos.
  • Experimental – o Astroquímico está, neste âmbito, focado na recolha de dados a partir de simulações em laboratório.

Claro que um Astroquímico pode combinar as diversas vertentes.

Além disso, os profissionais de Astroquímica também fazem uso da informática, utilizando softwares adequados para entender melhor os dados apurados.

Quanto ganha um Astroquímico

Os salários na área da Astroquímica podem ser muito variados, pois dependem muito das circunstâncias de trabalho do profissional.

Além do tipo de empresa ou entidade onde trabalhe, será preciso ponderar a experiência do Astroquímico, bem como a sua formação. Quanto mais qualificado for, mais hipótese terá de ter um bom ordenado.

Por outro lado, também é preciso ver a área onde atua, bem como o tipo de investigação, ou trabalho que faz. Assim, no ensino, por exemplo, os salários podem ser muito semelhantes aos praticados com outros professores, independentemente da área de estudo.

Mas em certos laboratórios, os ordenados podem atingir valores mais elevados, pois há certas pesquisas que obtêm bons financiamentos públicos e de mecenas.

Portanto, o ideal é que te capacites da melhor forma possível e que te foques em fazer um bom trabalho! As recompensas virão a seguir.

Saídas no Mercado de Trabalho

Uma das principais vias de saída profissional dos Astroquímicos é a academia. Assim, podem ser professores, ou mesmo integrar equipas de investigação no seio de Universidades.

Porém, em algumas universidades, há forte dependência de fundos públicos, pelo que as pesquisas podem ter períodos de tempo limitados. Isso implica a saída dos Astroquímicos no fim dos projetos. Assim, pode ser uma aposta instável.

Contudo, os Astroquímicos também podem trabalhar em laboratórios e centros de pesquisa, ou até em planetários.

Esta é uma área interdisciplinar, o que poderia ser visto como uma mais-valia. Mas, na verdade, acaba por colocar o foco do mercado de trabalho em outro tipo de profissionais. Assim, as vagas de emprego são escassas.

As melhores oportunidades na área da Astroquímica podem estar no estrangeiro, em países como os EUA, por exemplo. Portanto, se pensares em aventurar-te por esse caminho, não te esqueças de te preparar bem antes disso!

Como entrar na carreira de Astroquímico

A Astroquímica é uma ciência interdisciplinar e, como tal, não existe uma formação linear. Há vários caminhos possíveis para trabalhar como Astroquímico. Mas é preciso ter conhecimentos de áreas tão diferentes como Química, Física, Astronomia e até Computação.

Assim, o caminho para entrar na Astroquímica passa por fazer cursos relacionados com essas áreas. Há quem comece por estudar Astronomia, fazendo depois a especialização em Físico-Química, mas o inverso também é válido.

O ideal é que encontres a melhor opção para o teu perfil, e de acordo com as tuas preferências e aptidões. Todavia, fica já certo de que tens de ter uma formação sólida em Química e fortes conhecimentos em Astronomia.

Em alguns casos, as vagas de emprego podem pedir outras especializações, como, por exemplo, nas áreas da Física, da Matemática ou da Bioquímica.

Além disso, os Astroquímicos precisam de ter as aptidões típicas dos cientistas, como, por exemplo, raciocínio lógico e persistência.

Mas também têm de ter curiosidade por saber mais, muito olho para o pormenor e muita paciência!

Onde estudar Astroquímica

Como já referimos, há vários cursos que se podem fazer para seguir uma carreira na Astroquímica. Portanto, Física, Química e Astronomia são opções que deves considerar.

Assim, deves tentar complementar uma formação de base numa destas áreas com uma especialização que faça sentido para o que queres fazer dentro da Astroquímica. Contudo, podes procurar também formação na área da Astroquímica.

Para te ajudar, deixamos de seguida algumas opções que te podem levar a seres Astroquímico…

Portugal:

Brasil:

Agora que já sabes o que faz um Astroquímico, sentes-te preparado para agarrar esta profissão? Como viste, a Astroquímica é tão fascinante como exigente. É a tua praia? Segue em frente, com empenho e confiança. Torcemos pelo teu sucesso.

Mas se ainda não tens a certeza do que queres fazer com o teu futuro, experimenta fazer os nossos Testes Vocacionais. Estamos certos de que vais encontrar a tua profissão ideal!

Partilhar Post

Deixa o teu testemunho

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top