Ventríloquo

ventríloquo

O ventríloquo é o artista que domina a arte da ventriloquia, também designada de ventriloquismo. Ele consegue projetar a sua voz, de diferentes formas, sem precisar abrir a boca e mexer os lábios. Assim, parece que o som vem de uma outra pessoa que não o artista.

  • Modalidades: Presencial
  • Ordenado Médio Mensal: 1000€ - 1500€
  • Empregabilidade: Média
  • Tipo de trabalho: Trabalho Solitário
  • Disciplinas do Secundário/ensino médio: Literatura, Materiais e Tecnologias, Oficina de Artes
  • Idiomas: Inglês, Português

Esta profissão remonta já à época da Grécia Antiga. Os gregos falavam de gastromancia e, na verdade, associavam-na a práticas divinatórias da necromancia. Na prática, esta arte era feita para que um “espírito” estivesse presente no mundo físico e transmitir informações do “outro mundo”.

Só a partir do século XVI é que esta arte se dissociou do espiritualismo e passou a ser usada nas artes, principalmente em espetáculos de circo e teatro.

Se ficaste interessado nesta profissão, então continua a ler este artigo porque temos informações muito úteis para entrares nesta carreira com o pé direito.

Vamos?

O que é um ventríloquo?

O ventríloquo é um artista que usa a sua voz, sem mover os lábios ou abrir a boca, podendo, ou não, manipular um boneco ao mesmo tempo. A ideia é que se faça um diálogo entre o artista e a peça animada, sendo que o timbre de voz é alterado.

São muitos os ventríloquos que ficaram famosos nas artes cénicas. Na década de 40 do século XX, por exemplo, Edgar Bergen e o boneco Charlie McCarthy ficaram famosos com o filme Stage Door Canteen. Atuou também no filme Fun and Fancy Free, da Disney.

Jeff Dunham ficou famoso ao entrevistar cinco bonecos e Terry Fator. Durante o programa, Dunham imitou grandes artistas, como Tony Bennett e Ella Fitzgerald, por exemplo.

Shari Lewis marcou os anos 60 e a ventriloquia com os seus espetáculos e fantoches.

José Freixo é um grande nome da ventriloquia em Portugal. Acompanhado do seu boneco Donald, participou em vários programas de televisão, em diferentes canais. O sucesso foi tanto que chegou a gravar CDs.

Sérgio Batista, também português, ficou conhecido em todo o mundo, tendo participado em vários programas de televisão nos EUA, Alemanha, Portugal, Suíça, França e várias comunidades portuguesas pelo mundo. É o único em todo o mundo que atua em palco com dois bonecos do tamanho de uma pessoa real.

Batista Júnior, brasileiro, ficou famoso ao participar de vários programas de televisão. Também o tio Daniel ficou para a história dos ventríloquos brasileiros ao tornar o seu boneco Rato Élvis numa personagem “quase real”. No Brasil existem muitos outros, como, por exemplo, Warley Santana, Gelatina, Diego Menezes e Yakko Sideratos.

Agora que já sabes um pouco mais sobre ventríloquos e a história da ventriloquia, está na hora de pôr as mãos na massa e saber como é esta profissão na prática.

Vem connosco!

O que faz um ventríloquo?

O ventríloquo dá vida a objetos inanimados, dialogando com eles. Sempre que a peça animada tem de interagir, o artista altera o timbre da voz e fala, sem mover os lábios e sem abrir a boca, para, assim, dar a sensação que é mesmo a peça animada que está a falar.

Sem dúvida, este é um trabalho que envolve uma série de passos. Não basta pegar num fantoche e desatar a criar diálogos. É preciso construir bem a personagem do boneco. Cada boneco tem a sua história, a sua personalidade, assim como o seu timbre de voz próprio.

Por isso, antes de subir para um palco, existem muitas horas de trabalho de desenvolvimento e criação da personagem, da história, e só depois dos diálogos em si. Além disso, é preciso treinar bastante a animação do boneco enquanto ele “fala” e “ouve”.

Quais as suas funções

O ventríloquo tem como função entreter e animar o público com o seu espetáculo de ventriloquia. Assim como qualquer artista, o foco é sempre deixar o público contente. O espetáculo deve ter um caráter cómico e o objetivo é arrancar muitas gargalhadas das pessoas que assistem ao espetáculo.

Para que o espetáculo corra bem, é preciso trabalhar muito e cumprir uma série de etapas. Ora vê!

  • Escolher um boneco
  • Criar uma personagem para o boneco
  • Criar e desenvolver a personalidade, a história e o timbre de voz do boneco
  • Elaborar o diálogo
  • Treinar o diálogo a par da animação do boneco
  • Escolher a roupa do boneco
  • Ajudar a desenvolver o cenário para o espetáculo

Saídas no mercado de trabalho

O ventríloquo é um artista e, por isso, é um trabalhador autónomo e independente. A maior parte dos ventríloquos trabalha no desenvolvimento de espetáculos para atuar em bares, festas infantis, despedidas de solteiro e outros eventos.

Aqueles que fazem muito sucesso conseguem atuar em grandes salas de espetáculo, lucrando com a venda dos bilhetes.

É possível, também fazer parte de um circo ou companhia de teatro. Nestes casos, o espetáculo não é tão grande, reservando-se apenas uma parte do espetáculo para a ventriloquia.

Como entrar na carreira de ventríloquo?

Se queres seguir a carreira de ventríloquo tens de trabalhar muito. Ter aulas de ventriloquia pode ser muito benéfico para desenvolveres a técnica de projeção de voz sem movimentação dos lábios. Embora sejam de grande utilidade, estas aulas não são obrigatórias e não são sinónimo de sucesso.

Um curso de teatro, representação, improvisação ou música também te vão dar uma grande vantagem em relação a todos os outros. O que aprendes nestes cursos vão ajudar-te muito a fazer um espetáculo que agrada a todos.

O treino diário é o segredo para te tornares um bom profissional. Como falamos de um trabalho artístico, quanto mais cedo começares a trabalhar e apurar o teu talento, melhor!

Vê agora algumas dicas para começares a trabalhar.

Como ser ventríloquo?

Se estás decidido a tornar-te ventríloquo e queres começar a trabalhar a partir de agora, precisas de ler estas dicas que temos para ti. São os primeiros passos em direção a uma carreira brilhante. Acredita!

  1. Vê espetáculos de ventriloquia – Existem muitos vídeos na internet que podes ver e inspirar-te. Quanto mais ventríloquos conheceres, mais vasto vai ser o teu reportório e maior vai ser o teu conhecimento sobre esta arte.
  2. Treina a projeção de voz sem mexer os lábios – Uma forma de treinar é dizer o alfabeto vezes sem conta, tentando sempre não movimentar os lábios.
  3. Escolhe o tipo de boneco que vais usar – Existem bonecos para todos os gostos, desde animais, a pessoas, ou até objetos, de várias cores e diferentes tamanhos. Escolhe um boneco que te agrade e que vá de encontro com a ideia de espetáculo que estás a pensar criar. Quando fores comprar o teu boneco, opta por um que tenha a cabeça móvel. São os mais fáceis de manipular e visto que estás a começar agora, vai-te ser mais fácil treinar e criar algo realmente bonito e bem feito.
  4. Cria uma história para a personagem – Todos os bonecos têm de ter uma vida própria. Criar uma biografia para o boneco é um passo essencial para conseguires bons resultados.
  5. Prende a atenção do público no boneco – Sempre que o boneco estiver a “falar”, é importante que o público fixe o olhar nele, e não em ti. Por isso é que tens de coordenar bem os movimentos do boneco à medida que falas. A boca do boneco tem de mexer a cada sílaba e a cabeça e corpo também têm de se movimentar.

Onde estudar ventriloquia?

Agora que sabes os primeiros passos a dar nesta profissão, que tal veres um curso de ventriloquia para evoluíres e apurares os teus talentos? Anota!

Portugal e Brasil:

Não deixes de procurar um curso de artes performativas (representação, teatro ou improvisação) para veres melhores resultados e tornares-te um ventríloquo talentoso, até porque vai fazer toda a diferença. Nós desejamos-te muito sucesso.

Partilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top